Médicos cubanos fazem 240 atendimentos por semana em duas regiões de Juatuba

Município ainda aguarda notificação oficial sobre rompimento do país caribenho com o Brasil

Anunciada na semana passada, a decisão de Cuba pelo fim da parceria com o Brasil no “Mais Médicos”, retirará do país mais de oito mil profissionais. Dois deles estão em Juatuba, lotados em unidades de Estratégia da Saúde da Família – ESF -, nos bairros Icaraí e Samambaia.

As informações obtidas pela reportagem junto à Prefeitura são de que cada um dos cubanos realiza 120 atendimentos por semana, nas duas regiões. Até o fechamento desta edição, a administração ainda não havia sido notificada oficialmente sobre o encerramento do contrato dos clínicos. O Município tem seis vagas preenchidas por meio do programa e brasileiros ocupam quatro delas.

Os médicos de Cuba começaram a voltar para casa esta semana. A previsão é de que até 12 de dezembro todos tenham retornado às origens. O acordo de cooperação internacional terminou, de acordo com as justificativas do governo cubano, por causa de “referências diretas, depreciativas e ameaçadoras”, feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Desde 2013, o país caribenho envia profissionais ao Brasil, com intermediação da Organização Pan-Americana da Saúde – Opas – para assistência aos moradores de localidades sem cobertura. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios – CNM – o rompimento afetará 28 milhões de brasileiros.

Inscrições

Devido ao fim do acordo com Cuba, o Ministério da Saúde abriu, na quarta-feira, 21 inscrições do “Mais Médicos” para profissionais formados no Brasil ou com diploma revalidado no país. O prazo para registro das candidaturas para as 8.517 vagas seguirá até domingo, 25. No entanto, a página disponibilizada para os cadastros saiu do ar, já no primeiro dia. De acordo com o órgão federal, outro edital deverá ser publicado na segunda-feira, 26, com oportunidades para estrangeiros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.