Quinta, 14 Dezembro 2017

Câmara de Mateus Leme anuncia a criação da CPI da Copasa

Publicado em Política Segunda, 09 Outubro 2017 14:36
Avalie este item
(0 votos)

As possíveis irregularidades praticadas pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais – Copasa – na prestação dos serviços à população de Mateus Leme serão alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI. O Legislativo iniciou nesta semana as providências com o propósito de apurar abusos cometidos pela estatal na cidade. Com o consenso dos vereadores em relação à medida, confirmado na última reunião ordinária, um requerimento está em fase de elaboração pelo setor Jurídico e deverá ser protocolizado na Casa em poucos dias. 

A principal motivação para o pedido de CPI, sob a liderança do presidente da mesa diretora, Cristiano de Oliveira, foi o grande número de reclamações feitas contra a Copasa. Um dos fatores que pesaram, o preço cobrado pela água e agora, a taxa de esgoto, fixada, a partir de agosto, em 90% do valor referente ao consumo mensal dos recursos hídricos, sem a cobertura de 100% do tratamento dos efluentes. “Quando foi renovada a concessão, a empresa herdou um sistema de captação feito pela Prefeitura, custeado com dinheiro público e começou a cobrar uma tarifa de 40% sem investir nem um real”, comentou Cristiano Oliveira. 

Ainda de acordo com o parlamentar, a maior causa da revolta atualmente é o fato de a estatal, apesar da cobrança pela coleta, continuar despejando os dejetos nos ribeirões. “A Estação de Tratamento de Esgoto começou a funcionar no meio deste ano, mas contempla somente o bairro Central. Nas demais regiões, tudo continua do mesmo jeito. E a taxa, que estava em 60%, aumentou para 90%. Qual é o embasamento para isso? E os córregos continuam a receber a poluição, enquanto pouquíssimas extensões de redes coletoras e de fornecimento de água foram construídas”, explicou. 

Segundo o presidente da Câmara, a manutenção também deixa a desejar e quando é feita, a Copasa ainda desrespeita a legislação municipal e demora a consertar os danos causados nas vias públicas para a execução dos serviços, situação que pautou matéria publicada recentemente por este veículo de comunicação. O vereador afirmou que falta transparência nos processos. “A água que abastece o Sistema Serra Azul é oriunda de Mateus Leme. A concessionária não paga nada pelos recursos, que vende a preço de ouro. Além disso, não protege as nascentes, não incentiva os donos de terras nas regiões onde estão a fazer isso. Sem contar a quantidade de vezes em que o abastecimento é suspenso”, resumiu o vereador. 

 

Apurações pelo Ministério Público

 

A Copasa já é alvo de investigação também pelo Ministério Público. Na semana passada, o promotor Almir Guimarães informou à Câmara de Mateus Leme a abertura de procedimento preparatório para averiguar as denúncias contra a estatal.  A apuração tem como base a elevação da taxa de esgoto de 63,4% para 90%.  A medida foi tomada após o Legislativo pedir esclarecimentos sobre alguns fatos, principalmente a  cobertura do serviço de tratamento dos efluentes. 

 

Lido 156 vezes

Deixe um comentário

SUGESTÃO DE MATÉRIA

EDIÇÃO EM PDF ONLINE