Sábado, 21 Julho 2018

Duas pessoas foram presas acusadas de furtar vários materiais de uma casa em Juatuba. Logo após o fato, a Polícia Militar foi acionada via rádio se deslocou até o endereço citado e fez contato com os moradores do imóvel. De posse das características dos criminosos, a guarnição realizou diligências e encontrou os elementos, um homem e uma mulher, recuperando, em seguida, os itens roubados. A dupla foi detida e encaminhada à Delegacia, onde prestou depoimento.

Na noite de domingo, 06, alguns indivíduos invadiram um sítio em Juatuba, renderam o caseiro e fugiram do local com diversas ferramentas. A vítima entrou em contato com a Polícia Militar, que, imediatamente, iniciou o rastreamento e conseguiu localizar um dos criminosos, nas imediações da propriedade. M.S.A. foi reconhecido, preso e conduzido à Delegação de Plantão, em Betim, para as providências necessárias.

Na manhã de sexta-feira, 04, o Comando de Policiamento Rodoviário deflagrou a operação “Dia da Vitória”, destinada à fiscalização de veículos com suspeita de uso para transporte de drogas e armas em todas as rodovias estaduais e federais de Minas Gerais. No trecho da MG-050 que corta Mateus Leme, o trabalho culminou na prisão de um homem por suspeita de comercialização de entorpecentes. Com ele, a equipe apreendeu embalagens, maconha, cocaína e dinheiro.

Autoridades se reuniram nesta quinta-feira, 10, para começar a traçar estratégias contra os roubos de carga em Minas Gerais, estado com a maior malha viária do país. Em 27 de abril, foi criado pela Polícia Militar o Comando de Policiamento Rodoviário. Com ação em todo o estado, o órgão tem objetivo de dar segurança nas estradas e atuar no enfrentamento dos crimes e sua interiorização.

 

Entre as medidas citadas pelo major estão palestras para orientar as empresas de transporte e também motoristas no sentido de autoproteção, para evitar os ataques dos criminosos. Segundo dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública – Sesp -, de janeiro a março de 2018 foram registrados em Minas Gerais 114 roubos de cargas. Cigarros, pneus, eletrônicos e produtos transportados pelos Correios estão entre os principais alvos dos bandidos, segundo o militar.

Maio Amarelo visa conscientização dos motoristas e pedestres sobre atitudes seguras

 

“Nós somos o trânsito”. Este é o tema escolhido para a campanha Maio Amarelo, em 2018, com a proposta de envolver diretamente a sociedade nas ações de prevenção aos acidentes, fazendo com que os motoristas, passageiros e pedestres reflitam a respeito das atitudes seguras que podem ser adotadas por todos os que trafegam pelas ruas e estradas.

 

E, para reforçar as estratégias, a Polícia Militar deu início a uma série de atividades, em Juatuba e Mateus Leme. A corporação ampliou as blitzen educativas nos dois municípios, com o intuito, principalmente, de chamar a atenção para o alto índice de mortos e feridos, devido à imprudência. Durante as operações, os agentes têm distribuído panfletos com dicas diversas. O comando da PM ressalta que as abordagens não têm o objetivo de constranger, mas, sim de garantir a segurança. Nesse sentido, a aproximação com a comunidade é um dos pontos positivos da mobilização, de acordo com a instituição.

 

Índices elevados

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS -, as violências e os acidentes – sejam de natureza acidental ou não, são responsáveis por cerca de 9% da mortalidade global. O perfil do adulto jovem, sexo masculino e residente na área urbana tem a maior proporção das ocorrências no transporte terrestre.

 

Em Minas, de acordo com os dados do Boletim de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis, no período de 2010 a fevereiro de 2018, os homens apresentaram maior percentual de óbitos por acidentes, com 81% e as mulheres com 19%.

Prefeita pretende fazer representações contra todas as “fake news” a respeito da atual administração

 

Em 2016, a prefeita Valéria Aparecida dos Santos aceitou uma proposta da Instituição de Cooperação Intermunicipal do Médio Paraopeba – i.Cismep – para a aquisição de exames pelo Município, oferecidos entre agosto e novembro, aos usuários da rede pública. De acordo com informações obtidas pelo JORNAL DE JUATUBA E MATEUS LEME, o consórcio reuniu diversos gestores para informar que anteciparia os procedimentos. A intenção era fechar o calendário em outubro, dando três meses, até dezembro, para que as prefeituras fizessem o pagamento pelos serviços prestados, sem que ficassem restos a pagar para o ano subsequente. A medida visava principalmente evitar que as novas administrações não cumprissem com os compromissos firmados.

 

Diante da longa fila para a área de Oftalmologia, com mais de três mil pessoas à espera de assistência, Juatuba foi uma das cidades a aceitar a proposta da i.Cismep, que agendou os atendimentos conforme a disponibilidade. No entanto, apesar de a iniciativa ter partido do consórcio, assim como os prazos estabelecidos para a quitação dos débitos, a situação acabou na Justiça Eleitoral, após uma denúncia anônima. A acusação era de possível abuso de poder econômico por parte de Valéria, pelo fato de o contrato ter sido firmado em ano de eleições municipais. “Eu autorizei a compra dos exames por causa da demanda reprimida que a gente tinha e recebemos uma boa oferta naquele momento, ainda em julho. Eu só pensei em atender as pessoas que aguardavam e aceitei”, contou a gestora, em entrevista nesta semana, quando falou pela primeira vez publicamente a respeito do processo que vem enfrentando.

 

Valéria destacou que Juatuba não foi o único Município a contratar os procedimentos e que sequer realizou todos os pedidos, que eram pouco mais de mil exames. De acordo com a chefe do Executivo, em algumas cidades foram feitos quase dois mil procedimentos. A prefeita ressaltou também que uma prova de que o contrato não foi assinado com motivações políticas é o número de atendimentos posteriormente ao pleito, uma quantia bem maior.

 

“Passada a eleição, já fizemos mais exames do que naquela época, zeramos a fila de espera da Oftalmologia. Sem contar que hoje, a maioria da demanda do dia a dia está sendo atendida em Juatuba. Em 2017, nós conseguimos uma especialista que atende no consultório aqui, hoje na Casa Amarela”, explicou.

 

Notícias falsas

 

No dia 19 de abril, a Procuradoria Regional Eleitoral em Minas Gerais emitiu parecer desfavorável a recurso impetrado por Valéria Aparecida dos Santos, o que não significa uma decisão a respeito do caso, já que ainda não houve relatório oficial do relator e muito menos foi marcado julgamento. No entanto, foram divulgadas nas redes sociais notícias falsas (“fake news”) dando conta de que o mandato da prefeita foi cassado pela Justiça, deixando a população confusa sobre o que de fato estaria acontecendo em relação à situação da gestora.

 

“Fico muito triste, porque sou uma pessoa honesta, correta. Eu estou sendo acusada injustamente. Sempre ajudei a população a conseguir esses exames e vou continuar ajudando! Não é porque eu estou num cargo eletivo que eu vou deixar de atender a quem precisa. Eu não iria pensar em mim e deixar o povo sem assistência, mesmo que isso custe meu mandato! Eu não me arrependo de ter assinado o contrato, tinha que ter autorizado sim! Por que eu vou ter uma oferta e não vou marcar os exames se a comunidade está precisando?”, declarou Valéria.

 

A gestora disse também que a partir de agora fará representações contra todas as “fakes news” que surgirem envolvendo o nome dela, do vice-prefeito Alcides Osório da Silva, o Cidinho, de outros membros do Executivo e até do Legislativo. “Chega uma hora em que é preciso dar um basta. Eu cansei do pessoal fazer de mim gato e sapato. As pessoas têm que ajudar a construir e não fazer o que temos visto nos últimos tempos”, comentou.

 

Segundo Valéria, as publicações de notícias falsas acabaram afetando a vida pessoal e até a família. A prefeita lembrou ainda do ingresso na política, justamente pelo envolvimento com a saúde e para ajudar a população. “Eu sou efetiva na área. Então, até mesmo quando eu era vereadora, trabalhava no setor. Na minha casa não tem hora para me procurarem e isso não é de agora, como prefeita”, disse. Valéria enfrentou, desde a campanha eleitoral pela reeleição, nove ações, motivadas por denúncias diversas. Porém, oito processos foram arquivados por não serem comprovadas irregularidades, restando apenas o referente ao contrato com a i. Cismep, que ainda está sendo apurado pela Justiça.

Com dois casos notificados neste ano, Município amplia acesso aos exames e tratamento

 

A mobilização Maio Vermelho, que propõe ampliação do trabalho de prevenção ao câncer bucal, chegou a Mateus Leme, a partir de uma série de ações promovidas pela Secretaria Municipal de Saúde, com foco, principalmente, no diagnóstico precoce da doença. E, junto do Dia D da Campanha de Vacinação contra a Gripe, neste sábado, 12, dentistas estarão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde – UBS – do Santa Barbara, Azurita, Serra Azul e Imperatriz, para a realização de exames.

 

O público-alvo é composto por pessoas na faixa etária acima dos 20 anos. Se diagnosticados problemas durante a consulta, o profissional encaminhará o paciente a um estomatologista da rede pública e, se necessário, será feita a biópsia. Para reforço do combate à enfermidade, médicos das UBS passaram por capacitação, na sexta-feira, 04. Apenas no primeiro semestre de 2018, foram registrados dois casos de câncer de boca em Mateus Leme.

 

Riscos

 

Os principais fatores de risco para o câncer bucal são a ingestão de bebidas alcoólicas, o uso de tabaco e exposição prolongada à radiação solar. Quando fumo e álcool estão associados, o perigo de desenvolver a doença é maior.

A equipe do Centro de Especialidades Médicas - CEM - de Juatuba atende em novo endereço desde quinta-feira, 10. A unidade, mais conhecida como “Casa Amarela”, foi transferida para a rua José Monteiro, 61, 1º andar, Centro, próximo à ponte do bairro Satélite. A justificativa da administração para a mudança é a necessidade de um espaço mais adequado à assistência prestada à população. O telefone permanece o mesmo: 3535 - 8558.

Os eleitores que estão em dia com a Justiça Eleitoral, mas pensam em buscar atendimento apenas para imprimir a segunda via do título, podem ficar despreocupados. Isso porque o e-Título substitui o documento na hora de votar. Basta baixar o aplicativo disponível para iOS e Android, no smartphone ou tablete, e preencher os dados cadastrais. A plataforma apresenta informações como dados da zona do usuário e a situação em tempo real. Atualizado esta semana, o aplicativo permite, a partir de agora, a emissão da certidão de quitação eleitoral, além da certidão de crimes eleitorais, por meio do QR Code.

Tarifa é de 90% sobre o consumo de água e acusações são de que a concessionária ainda descarta dejetos nos ribeirões

 

Desde agosto de 2017, os moradores de Mateus Leme pagam mais pela tarifa de esgoto. A Companhia de Saneamento de Minas Gerais - Copasa - aumentou a tarifa, que incide sobre o consumo de água, de 63,4% para 90%. Muitas reclamações têm sido feitas a respeito e o percentual aplicado foi um dos motivos, inclusive, para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI - pela Câmara, diante dos indícios de que a concessionária dos serviços na cidade não trata os dejetos em todas as regiões.

 

Nos últimos dias, o caso acabou nas mãos do Ministério Público, que averiguou a situação, em atendimento ao pedido do vereador Arilton Gaudêncio Santiago, o “Pretinho do Hospital”. A Promotoria surpreendeu a população, ao responder que não detectou irregularidades em relação ao tributo, e gerou diversas manifestações, principalmente nas redes sociais da internet. Usuários da rede fizeram protestos, criticaram a atuação da Copasa e chegaram a afirmar que é um absurdo pagar por algo inexistente, com base nas evidências de que parte dos resíduos é despejada diretamente em ribeirões.

 

Na época da majoração, a empresa alegou que a medida era necessária para ampliação do trabalho executado, com o completo tratamento dos efluentes antes da devolução ao Paraopeba. Os consumidores, por sua vez, acusaram a estatal de cobrar um valor muito alto diante do que oferece. Na ocasião, em entrevista a programa jornalístico da Rede Record, cidadãos disseram que a empresa canaliza o esgoto direto para o rio, sem tratamento, deixando a água com odor insuportável e matando os peixes.

 

A Copasa é responsável pelo sistema de saneamento e abastecimento do município desde 2010. De acordo com o comunicado emitido pela companhia alguns meses antes da revisão da taxa entrar em vigor, o acréscimo de 26,6% estava em consonância com as normas estabelecidas pela Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais – Arsae/ MG. A empresa afirmou ainda que a tarifa é a mesma praticada em todos os municípios onde detém a concessão.

 

Comissão Parlamentar de Inquérito

 

Em março passado, a Câmara de Mateus Leme instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito - CPI -, com o objetivo de averiguar os serviços prestados ao Município pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais – Copasa. O requerimento, iniciativa do vereador Cristiano de Oliveira, foi apresentado em atendimento às inúmeras reclamações em relação ao trabalho da estatal na cidade. Ele preside a CPI, que tem José Ronaldo como relator e José Edson dos Santos, o “Edinho do Som”, na composição.

 

A medida visa apurar diversas denúncias feitas contra a empresa, alvo de manifestações de desagrado dos consumidores. As queixas, que se arrastam há tempos, motivaram Cristiano de Oliveira a iniciar os procedimentos, com foco na busca de soluções para os problemas apontados, ainda em 2017. Queixas da Associação de Moradores de Azurita, uma das comunidades mais prejudicadas, pela falta de abastecimento e qualidade duvidosa do líquido que chega às torneiras, impulsionaram o processo.

 

O principal motivo da abertura da CPI foi o aspecto turvo da água fornecida, por longos períodos, à população de várias regiões da cidade e, especialmente de Azurita, que sofre também com a falta do recurso, às vezes por dias seguidos. Outra possível irregularidade apontada é referente à cobrança da taxa de esgoto, que, conforme as acusações, em diversos pontos é apenas coletado, sem a cobertura de 100% do tratamento. Também é alvo de questionamento a falta de manutenção da pavimentação das ruas, após obras realizadas pela estatal. Ainda não foram divulgados resultados acerca das investigações feitas pelos vereadores.

SUGESTÃO DE MATÉRIA

EDIÇÃO EM PDF ONLINE