Sábado, 16 Dezembro 2017

É de Mateus Leme o segundo lugar no Festival Sesi Música 2017. Dhiego Ekson dos Santos Vieira, o Conduta Reg, conquistou o prêmio na categoria inédita, com a obra “Vou pedir pra Jah”, uma crítica social e política, que enfatiza o desastre provocado pelo rompimento da barragem de rejeitos de minério, em Mariana. Além de representar bem o município em nível estadual, ele faturou um cheque de R$ 4 mil. 

A iniciativa, do Serviço Social da Indústria, visa reconhecer, valorizar e incentivar os talentos entre os trabalhadores do segmento representado pela entidade. O concurso abrange todo o território de Minas Gerais e é aberto a todos os estilos. 

Premiado nesta edição, o mateuslemense Conduta Reg tem 27 anos e é funcionário da Magnesita Refratários, localizada em Contagem. O rapaz teve o primeiro contato com a arte por meio da cultura hip hop e consolidou a ligação com o estilo ao longo dos anos. Porém, sempre mesclou o trabalho a outras expressões artísticas e culturais urbanas. Entre os ídolos, que, obviamente, influenciam o artista, estão Luiz Gonzaga, Alceu Valença e Edson Gomes. 

“Absorvi inúmeras vertentes, que contribuíram para a formação de minha personalidade como compositor e cantor”, comenta Dhiego Ekson, amante da escrita e poesia, além de fã de Charles Bukowski e Leminski. O jovem começou a compor cedo. No entanto, apenas em 2014, quando conheceu Igor Falcão, responsável pelos arranjos, a música deixou de ser passatempo e tomou forma de trabalho. Depois, foi fundamental o impulso de Rafa Valois da produtora Home Studio Valois. Carioca residente em Betim e padrinho de Conduta Reg a partir de uma batalha de MC´s, no fim de 2016, iniciou com ele o processo de gravação do EP acústico Lunares, ainda em fase de produção. 

 

O trabalho desenvolvido pelo veterinário Marcos Mourão, por meio da Organização Não-Governamental – ONG - Asa e Amigos foi premiado com o segundo lugar no concurso Cidadania Metropolitana. A entidade desenvolve ações voltadas à proteção de animais silvestres, apreendidos em operações contra o tráfico, vítimas de maus tratos, doentes ou mutilados em conseqüência de agressões. 

A entidade, fundada há cerca de 20 anos, está localizada no bairro Veredas da Serra, em Juatuba, e já ganhou destaque em toda a região pela dedicação à causa. A ONG funciona em um sítio, preparado para abrigar os bichos abandonados ou recolhidos por órgãos ambientais. 

A premiação foi entregue pelo governo de Minas Gerais durante a abertura da Conferência Metropolitana, na capital, na semana passada. E contemplou apenas dez iniciativas, das 51 inscritas no período de 09 a 19 de novembro, em consonância com a proposta de valorização de boas práticas em municípios da   Grande Belo Horizonte. A feira da Praça dos Três Poderes recebeu indicação, mas não foi classificada. 

Tradição que atravessa gerações, o ofício de benzedores e benzedeiras de Juatuba foi registrado em 2017 como patrimônio imaterial do Município, pela Secretaria de Cultura e Turismo. O reconhecimento, por meio de pesquisas, realizadas nos últimos anos, visa preservar a memória da comunidade em relação à prática, parte do cotidiano e da identidade da cidade, sobretudo no que tange aos conhecimentos empíricos e de origem popular. 

O dossiê, intitulado “Evocações do Sagrado”, é um resgate da história de Juatuba. De acordo com a historiadora Sônia dos Anjos, gestora da pasta responsável pelo tombamento,  o trabalho foi iniciado em 2013, com destaque, inclusive, na mídia estadual. “Trata-se de algo milenar, presente em várias culturas e que chegou ao Brasil com os portugueses. Aqui, foi acrescido do conhecimento dos negros e índios”, comenta a secretária. 

Sônia lembra que após vários encontros e discussões, já a partir de 2015 e com o envolvimento do Conselho Municipal de Cultura, Patrimônio Histórico, Ambiental e Cultural, a decisão foi pela elaboração do documento. “Precisamos guardar as histórias tão importantes e de pessoas muito queridas na comunidade. E em 2018 haverá continuidade, pois ainda há muitos que não estão catalogadas”, explica a gestora. A medida teve aprovação unânime dos conselheiros. 

Foi publicado na terça-feira, 28, pela Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig – o edital de concurso público para provimento de 109 vagas na empresa. Há oportunidades com exigência de nível médio, técnico profissionalizante e universitário e os aprovados serão contratados sob o regime da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. 

Os interessados deverão se inscrever entre 05 de fevereiro e 12 de março, pela internet (www.fumarc.com.br). A taxa varia entre R$ 50 e R$ 130, de acordo com a função para a qual o candidato irá concorrer. Os salários variam de R$ 2.498,30 a R$ 7.965,00. O edital completo está disponível em www.cemig.com.br.

 

Em reunião ordinária na noite de segunda-feira, 27, os vereadores de Juatuba discutiram e aprovaram o projeto de lei que versa sobre o Orçamento Municipal para o exercício financeiro de 2018. A receita estimada pela Prefeitura para o próximo ano, conforme a matéria apreciada pelo Legislativo, é de aproximadamente R$ 130,8 milhões. Os parlamentares também deram aval ao Plano Plurianual, apresentado pelo Executivo, com as propostas de governo para o período 2018/2021. O documento contém o programa de trabalho e o detalhamento dos investimentos que serão realizados, abrangendo ainda o início da administração seguinte, com o propósito de garantir a continuidade das ações. 

Em viagem recente a Brasília, a prefeita Valéria Aparecida dos Santos, acompanhada do secretário de Planejamento e Coordenação, Júlio Cezar Gomes, esteve no Ministério da Educação e solicitou recursos para uma instituição de ensino em Juatuba. A proposta da atual administração é de edificar um novo prédio para a Escola Municipal Elza de Oliveira Saraiva. 

A unidade educacional continua a funcionar nas dependências da Câmara, devido à interdição do imóvel construído pelo governo passado para abrigá-la. Depois de apontamentos sobre possíveis irregularidades na obra, um laudo do Centro de Apoio Técnico do Ministério Público apontou falhas estruturais e desde então, a edificação permanece fechada. Um processo segue na Justiça, no entanto, até o momento, a situação é indefinida. 

Diante do impasse, o Executivo decidiu protocolar, junto à União, pedido de verba para instalar definitivamente a Escola Elza. O Ministério da Educação e Cultura – MEC – firmou o compromisso de liberar R$ 3,5 milhões para a obra. De acordo com o secretário, Júlio Cezar Gomes, o projeto contempla a construção de 12 salas e quadra esportiva, para atendimento aos estudantes matriculados do primeiro ao nono ano do nível fundamental. O terreno, da Prefeitura, fica no bairro Satélite, ao lado de loja de uma grande rede de supermercados. 

“São recursos do Plano de Ações Articuladas, o PAR. Agora, temos condições de fazer o cadastramento do Município no sistema e esperamos iniciar as obras ainda em 2018. O empreendimento vai atender cerca de 480 crianças, em um ambiente propício aos estudos. Precisamos resolver essa questão”, comentou o gestor. Sobre o imóvel antigo, Júlio Cezar disse que a Prefeitura aguarda a decisão judicial. “Se a determinação for demolir, faremos isso. Caso contrário, o prédio poderá ser aproveitado para uma secretaria, como a recém-criada, de Segurança Pública e Defesa Social”, afirmou.  

 

O prefeito Júlio Fares percorreu, nesta quinta-feira, 30, todo o trajeto da MG-050, no perímetro de Mateus Leme, com o objetivo de fiscalizar as intervenções já realizadas e averiguar os trabalhos ainda em andamento. A vistoria terminou com a confirmação de diversas irregularidades e, diante do resultado, a administração municipal elaborou dois relatórios, encaminhados no mesmo dia à Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas – Setop -, junto a um  pedido de providências para os problemas detectados. 

Entre os apontamentos feitos pelo Executivo, a ligação da rua Escócia, no bairro Mangabeiras, à entrada do condomínio rural Rancho Grande, já que, atualmente, para acessar o chacreamento, os moradores que trafegam no sentido Belo Horizonte/Itaúna têm se deslocar aproximadamente dez quilômetros até o distrito de Azurita onde há retorno. Nesse caso, a Prefeitura se dispôs a realizar a benfeitoria, desde que haja autorização do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais – DEER/MG. 

Foi solicitada agilidade na construção da passarela no bairro Nossa Senhora de Lourdes, em Azurita, além de autorização para que seja edificada uma travessia de pedestres na altura da Escola Municipal Hélen Jaqueline e uma agulha de acesso à rodovia, próximo ao posto de combustíveis “Neblina Dourada”. O Executivo solicitou ao governo de Minas Gerais que interfira, no sentido de fazer com que a concessionária faça as adequações e adote medidas para aumentar a segurança dos motoristas e transeuntes na via. 

O prefeito cobrou alteração na angulatura da rua Nossa Senhora do Rosário, com a marginal da MG-050; abertura de acessos no Parque Industrial de Azurita; passarelas entre condomínio Rancho Grande e o bairro João Paulo II.  

As reivindicações do chefe do Executivo são ainda pelo nivelamento da praça, na entrada do bairro Mangabeiras; construção de muro de arrimo em uma das bases da travessia, perto da Formiga Doceira; drenagem das águas pluviais, na rua Evangelina Moreira, no Santa Bárbara; captação pluvial e recomposição de pavimento poliédrico na avenida Itália (Mangabeiras); recomposição de pavimento. Júlio Fares apontou ainda desnível na pavimentação construída na esquina da avenida José Surdo com a rua Safira, no Nossa Senhora do Rosário e a necessidade de revisão da construção de meio-fio na avenida Padre Vilaça, de instalação de guarda corpo próximo à Escola Municipal Hélen Jaqueline e de substituição das grades dos bueiros quebrados. 

Os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged - sinalizam a retomada do crescimento da economia na região. Bastante prejudicadas pelos efeitos da crise política e econômica que assolou o país nos últimos anos, Juatuba e Mateus Leme também estão entre as cidades com bons resultados na geração de empregos em 2017. Os dados comprovam que os municípios seguiram a tendência favorável de contratações nos últimos sete meses, com mais admissões que desligamentos. 

Em Mateus Leme, entre janeiro e outubro, 2.424 trabalhadores foram contratados contra 1.749 demitidos, o que gerou um saldo de 675 vagas. Em relação a Juatuba, que contabilizou 1.641 contratações e 1.383 demissões, o balanço também ficou positivo no período avaliado, com a criação de 258 oportunidades. A indústria de transformação foi responsável por grande parte das colocações no mercado formal em ambas localidades. 

Os dois municípios acompanham a tendência nacional. Em 2017, o Brasil registrou a criação de mais de 76 mil novos postos de trabalho. No acumulado do ano o país registra o saldo de 302.189 empregos, número muito superior ao de 2016, no qual foram fechadas mais de um 1,3 milhão de vagas. 

A Justiça Eleitoral divulgou nota, em razão de informações falsas que circulam em aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, para esclarecer que, em Minas Gerais, o prazo final para o recadastramento biométrico nas quatro cidades onde ele é obrigatório, que são Betim, Contagem, Uberaba e Uberlândia, é 09 de fevereiro de 2018.

Nos  demais municípios do estado onde a biometria já foi adotada, mas o comparecimento para fazer a alteração ainda é facultativo, como em Belo Horizonte, Montes Claros e Juiz de Fora, ainda não há data-limite estabelecida.  Os boatos nas redes sociais de que o procedimento deve ser feito dezembro e que o eleitor deveria pagar multa de R$ 150,00 para regularizar a situação estão levando várias pessoas a acionar o Tribunal Regional Eleitoral, inclusive pelo Disque-Eleitor (148). Todas as informações sobre a biometria em Minas Gerais estão disponíveis em www.tre-mg.jus.br/eleitor/biometria.

 

No mês de prevenção ao câncer de mama e conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce para garantia de eficácia no tratamento contra a doença, Mateus Leme recebeu o Caminhão da Mamografia, numa parceria do Município com a Secretaria de Estado de Saúde. O balanço divulgado nesta semana pela Prefeitura apontou entre o dia 23 de outubro e esta quarta-feira, 22, foram realizados 1.054 exames. A princípio, a expectativa era de que fossem atendidas 830 mulheres, na faixa etária entre 50 e 69 anos, além das usuárias da rede pública já em fase de acompanhamento ou com histórico familiar.

Após a realização do procedimento, é preciso aguardar por um período de 30 a 40 dias para que o laudo seja analisado e encaminhado à Unidade Básica de Saúde – UBS – da região onde mora a paciente. Se houver necessidade de avaliação específica, o próprio posto faz o encaminhamento ao mastologista.

SUGESTÃO DE MATÉRIA

EDIÇÃO EM PDF ONLINE