Desserviço para a população: Hospital de Campanha vira disputa política

0
68

Saúde e política é uma combinação que não rende bons frutos para a população, principalmente em tempos de pandemia. Informações desencontradas e que segundo os vereadores são mentirosas, fizeram parte dos primeiros dias de mandato do prefeito Renilton Coelho que gravou diversos vídeos criticando a administração do ex-prefeito Júlio Fares. No primeiro deles, junto com o secretário de saúde, José Carlos Serufo, o prefeito eleito fez graves acusações à estrutura da unidade temporária de saúde, o Hospital de Campanha, instalado no Hospital Santa Terezinha. A denúncia foi rebatida pelo presidente da Câmara, Wellington Batata, que gravou vídeo desmentindo o prefeito.

O hospital de campanha de Mateus Leme foi inaugurado no fim do mês de abril e foi instalado rapidamente por meio de parceria entre a Prefeitura de Mateus Leme e o Hospital Santa Terezinha, sendo gerido pela ONG Avante Social. Por se tratar de organização sem fins lucrativos, o município só arcava com aquilo que realmente era usado, ou seja, quando não havia pacientes internados, a despesa era apenas com a manutenção.

No vídeo gravado pelo prefeito Renilton Coelho, ele afirma que foi até o hospital de campanha e identificou irregularidades e, por isso decidiu encerrar o contrato com a ONG Avante Social e passar a administração da unidade temporária para a Fundação Hospital Santa Terezinha. O secretário municipal de saúde também disse no vídeo que não havia nenhum respirador funcionando na unidade.

Confronto

Assim que o vídeo ganhou as redes sociais, os vereadores Wellington Batata e Guilherme Gangorra foram até o hospital de campanha e também gravaram um vídeo mostrando o funcionamento dos equipamentos no hospital.

Segundo a publicação de Batata, eles foram recebidos por um dos responsáveis pela unidade, Magno Helder, que os apresentou respiradores em pleno funcionamento.

A divulgação do vídeo do prefeito e depois a publicação da visita dos vereadores ao Hospital de campanha, desmentindo as afirmações do gestor, causou confusão e vários internautas consideraram a situação controversa um desserviço à população. Até então, o hospital de campanha de Mateus Leme não chegou a ter todos os leitos ocupados, tendo recebido diversos pacientes, até mesmo de outras cidades, ao longo do ano de 2020.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui