“Transporte Escolar Consciente” quer mais segurança para alunos

0
303

O Projeto Espaço Sociocultural da Criança e do Adolescente – ESCA –, lançou na semana passada o “Transporte Consciente”, que tem como objetivo melhorar o transporte escolar fornecido pelo município para adolescentes carentes, que frequentam escolas públicas em período noturno.

Com o aumento da incidência de ocorrências quanto ao mau uso dos veículos, a ESCA adotou estratégias como somente a utilização por adolescentes dos ônibus e vans escolares; adoção de crachás pelos alunos; proibição de conduta ilícita ou libidinosa dentro do transporte escolar; sendo vedado ainda o uso de roupas não condizentes ao local; proibição de parada do transporte escolar em locais distintos daqueles previstos; fiscalização da entrega de alunos do transporte escolar, em especial os menores de 18 anos, ao motorista do veículo e acompanhamento inicial de entrada, tráfego e saída dos alunos no transporte escolar pela Polícia Militar de Mateus Leme, até que seja conscientizada a população.

O projeto é uma iniciativa em conjunto com Poder Judiciário – Juízo da Infância e da Juventude e da Vara de Execuções Penais da Comarca, com apoio direto do Ministério Público da Infância e da Juventude, da Polícia Militar e da sociedade participativa.
Estiveram presentes no lançamento do projeto “Transporte Consciente” a Polícia Militar, a Vara da Infância e Juventude, a promotoria da Infância e Juventude, o prefeito de Mateus Leme, Júlio Fares, e os Secretários Municipais de Assistência Social e de Educação, além da coordenação do Projeto ESCA, conselheiras tutelares, Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, representantes das escolas públicas, das concessionárias do transporte escolar no município e da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB.

Projeto ESCA

A Ação GANESHA-ESCA (PMMG e Projeto ESCA) é a primeira das sete vertentes do Projeto ESCA e tem por objetivo geral traçar estratégias entre os poderes institucionais, harmonicamente, para atuação em circunstâncias e fatos prejudiciais às crianças, adolescentes e suas famílias na Comarca, com a intenção de retirá-las de situações de risco social, moral, material e psicológico, conforme determinação na Constituição da República de 1988 e no Estatuto da Criança e Adolescente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui